domingo, 3 de fevereiro de 2008

Every breath you take...


Mulher jovem, da minha idade, com câncer avançado e incurável de mama. Ela sabe, mas não entende. Ou não aceita. Ora na fase de revolta, ora na fase de barganha.

Passou um período agredindo a todos. Eu precisava falar com ela, mas estava esgotada, sem energia.

-Melhor não conversar com ela, doutora. Você não está bem e pode ficar pior.

-Ela também pode ficar pior, caso ninguém fale com ela, respondi ao enfermeiro preocupado comigo

Respiro fundo e subo. Puxo a cadeira, mais baixa que sua cama, e me sento. Ela não poderia desviar o olhar, pois nossos olhos estavam no mesmo nível.

Falamos sobre tudo: religião, espiritualidade, casamento desfeito, filhos, amores novos, amores velhos, sofrimentos, dores. Daí veio a pergunta, subitamente, porém já esperada por mim:
-Vou melhorar deste tumor, doutora?

-Não vai, respondi olhando nos seus olhos.

-Posso morrer assim?

-Pode, sim.

-Mas de Deus quiser pode ser diferente, não pode?

-Sim, pode. Pode ser sem dor, sem mal estar, sem sofrimento. nem para você, nem para os que ama. É só continuarmos a cuidar de você como estamos fazendo. O que acha?

-Assim eu fico tranqüila. Posso ir em paz.

_____________________________

Sinto que agora possuímos um link, e que a minha presença será importante quando ela entrar em processo de morte.

Depois da conversa que tivemos, ficamos em paz. Nós duas.

__________________________

(imagem: Marc Chagall. Não poderia ser outro para ilustrar este post)


10 comentários:

Viviane disse...

Ai, Monica...Que Deus te ajude a continuar esse trabalho lindo com força. Eu realmente não sei o que dizer depois de ler isso.
Beijo.

Mani disse...

Oi, querida...Há tempos não lhe lia...E a morte anda rondando meus calcanhares...beijo.

adelaide amorim disse...

Imagino que seu trabalho seja espoliante, muitas vezes, que te deixe sem energia - não deprimida, como talvez fizesse a quem não está preparado, mas vazia (é esse o termo, ao menos às vezes?). ninguém é de ferro, e é muito difícil. mas deve ser essencial para sua finalidade de amenizar o sofrimento de quem não tem mais como viver. me dá muita vontade de chorar, que é uma saída possível diante do que não tem remédio. você pode chorar, às vezes, durante essas conversas?
a vida é muito estranha, vista dessa perspectiva, Mônica.
beijos. Deus precisa muito existir pra nós, não é?

Tatit disse...

Caramba, quase cena de filme. ...

Fao disse...

adoro Chagal

Stella disse...

Saber a verdade ajuda a elaborar, viver e olhar em volta. Saber ajuda a chegar a uma compreensão e alivía.Você tem esta capacidade o que é raro . Muitos médicos se esquivam do paciente terminal.
Stella

João disse...

Você tem razão, não poderia ser outra imagem que não Chagall. Eu reafirmo: este seu trabalho atual é maravilhoso e um grande exemplo para gente.
Bises

Rogério Saraiva disse...

Acredito que é pura energia. Parabéns.

claudia disse...

tive um melanoma
tenho 40 anos

fiquei 15 dias na expectativa da morte.
é horrível
ele estava no primeiro estágio...
Deus achou melhor eu continuar por aqui...

Mas ... meu médico fez toda a diferença nesse período, se não por ele , eu teria morrido antes de saber o resultado.
Continue.

Beijo no coração

Meg (sub Rosa) disse...

Tenho muito orgulho em ser (pelo menos me considero) sua Amiga.

À parte isso, a questão é que que não deveria ser uma exceção. Sim, eu sei a cultura, o país que temos... O caso é que para quem realmente precisa, precisar de Médico e de Deus é muito similar.
Ambos constituem uma esfera especial, a esfera 'numinosa'.
Um beijo, minha querida. Ser como você faz toda a diferença.

Não deixe de me visitar, estou doente e com medo. Não, não é cancer. Mas cada e toda doença é doença
Um beijo